Posted by on ago 5, 2012 in News, Saúde, Terapias

A acupuntura é uma técnica tradicional originada na China há mais de 3.000 anos em que as doenças são controladas ou curadas através da inserção de agulhas em diferentes pontos do corpo 1. A técnica consiste na estimulação de pontos e canais, e as teorias da acupuntura tradicional descrevem indicações, localizações, e estimulação dos pontos para um dado sintoma, queixa ou “desequilíbrio” do paciente 2.

As indicações da acupuntura englobam diversas doenças 4, além de ser também utilizada na odontologia, como anestesia, como analgesia, no controle de dor pós-operatória, dor facial, disfunção temporomandibular e xerostomia 1.

A dor é provavelmente a variável mais avaliada no trabalho clínico, pois é uma das causas mais freqüentes para a procura dos cuidados de saúde. Embora haja grande discussão em torno da eficácia da acupuntura na comunidade médica, há evidência para o uso da acupuntura em diferentes estágios de dor crônica 5.

Até muito recentemente a comunidade profissional era um tanto cética a respeito de seu valor, mas sua utilização no controle da dor hoje é bem estabelecida. Muitos estudos demonstraram que a acupuntura aumenta o limiar da dor através da produção de endorfinas 1.

Considerando que a dor é o quinto sinal vital, responsabilidade da enfermagem, cabe ao enfermeiro o papel único no cuidado prestado à saúde, particularmente em virtude de sua extensa interação e comunicação com o paciente. Portanto, suas crenças e experiências pessoais com relação à medicina complementar (MC) parecem ter uma influência significativa na escolha que seus pacientes fazem com relação ao tipo de terapia complementar, principalmente em doenças crônicas 6.

Há evidência suficiente do valor da acupuntura para expandir sua utilização na medicina convencional e encorajar mais estudos de seus mecanismos e para estabelecer seu valor clínico 7. A MC em todas as suas formas tem oferecido modelos de saúde, cura e de cuidados que desafiam a compreensão ocidental ortodoxa, e provê para alguns pacientes, no mínimo, uma gama muito maior de escolha 8.

Os procedimentos da MC são habitualmente inócuos, livres de efeitos secundários importantes e geralmente produzem ao paciente alívio, melhora ou restabelecimento de muitos problemas de saúde; além de ser muito econômicos e de fácil aplicação pelo profissional enfermeiro 9.

As indicações da acupuntura podem ser divididas em quatro grupos 4:

Grupo 1 – muito eficaz em cefaléias, congestões na cabeça, contusões, câimbras, espasmos gástricos, intestinais e uterinos, dores musculares, depressão mental, dores referidas, fadiga, hemorróidas, nevralgias em geral, neuroses infantis, primeiro estágio de enfermidades inflamatórias (abscessos, apendicite, pneumonia);

Grupo 2 – eficaz em diarréia, disminorréia, hipercloridria, hipotensão, litíase biliar e renal, neuroses, palpitações, paralisia facial, prolapso anal, reumatismos, transtornos vegetativos pós-operatórios, herpes zoster;

Grupo 3 – apresenta resultados inconstantes em angina, artrite, diabetes melito (DM), hipertensão renal, insônia, doenças renais, nevralgia de trigêmio, paralisia, vômitos, úlcera gástrica;

Grupo 4 – age só sintomaticamente em tuberculose, câncer, hemiplegia, lesões da coluna vertebral, poliomielite, doença de Parkinson.

Os grupos mostram que a eficácia do método diminui à medida que a doença caminha em direção a lesões irreversíveis 4.

A acupuntura tem sido utilizada para tratar diversos distúrbios neurológicos com uma gama de resultados. Alguns desses distúrbios incluem epilepsia, enxaqueca, distrofia reflexa do simpático, ciático, lesões espinais e nevralgia do trigêmeo 10.

Estudo piloto quanto à segurança no tratamento por acupuntura de pacientes portadores da Doença de Parkinson comprovou que não há efeitos adversos, que é segura e de boa tolerância. O tratamento dos pacientes que mantiveram seus medicamentos mostrou uma melhora pós-acupuntura nos problemas de sono e descanso. Porque os pacientes que reportaram melhoram no sono, ansiedade, depressão, e tremor eram pacientes em condições mais severas da doença, é possível que a acupuntura seja mais benéfica para pacientes com doença mais severa 10.

Para a acupuntura, a dor é resultado da obstrução do livre fluxo de Chi (energia vital) no corpo do indivíduo, ou seja, a energia não consegue circular 11.

Buscar novas possibilidades para cuidar de pessoas que sentem dor de cabeça é do âmbito da enfermagem. A acupuntura como instrumento do enfermeiro pode oferecer opções de cuidado aos pacientes com dor de cabeça, constituindo-se assim, de uma posição profissional que além dos demais está de acordo com o princípio bioético da autonomia, quando respeita a pessoa que deseja alternativas ao tratamento de seu problema. Cuidar, nessa proposta, é caminhar ao lado do portador de dor de cabeça, propiciando alternativas que promovam um conhecimento diverso, um arriscar-se na mudança da forma de olhar, adentrar um espaço interno para promover encontros consigo e que podem significar ultrapassar a dor e tornar-se livre dela 11. Além do alívio da dor de cabeça, um aumento do bem-estar foi percebido e relatado pelos pacientes sob tratamento da acupuntura, particularmente quanto à qualidade do sono, função intestinal, tensão pré-menstrual, cólicas menstruais e nível de ansiedade  11.

Em pacientes com distúrbios de tecido mole do ombro, incluindo tendinite do manguito rotator, tendinite bicepital, capsulite e periartrite escapuloumeral, tratados com acupuntura, os resultados clínicos foram eficazes ao diminuir sintomas, reduzir a duração da doença e melhorar a habilidade funcional mesmo naqueles que portavam a doença há muito tempo 12.

As dores osteomioarticulares são as causas mais freqüentes do cuidado com os pacientes na consulta médica diária e as que mais contribuem para a incapacidade para o trabalho. Esse estudo avaliou 58 pacientes remetidos a consultas de MC, com sintomas relacionados ao tecido, músculo e articulações em qualquer localização do organismo. O tratamento foi realizado com acupuntura; 35 pacientes (60,3%) tiveram resultado satisfatório, 6 (10,3%) satisfatório relativo, 4 (6,8%) resultado não satisfatório; 11 casos (8%) deixaram o tratamento ou não forneciam histórico suficiente 13.

Não houve efeitos adversos, secundários, nem complicações com essa terapia milenar, assim como não houve consumo paralelo de medicações analgésicas nos pacientes estudados 13. Isso confirma que a acupuntura é um método útil, econômico, isento de complicações e reações adversas, ao promover alívio sem depender de fármacos, que com frequência geram complicações ou reações secundárias desfavoráveis, e sem depender da utilização de outros métodos, como instrumentos mais invasivos, que tradicionalmente têm sido utilizados no tratamento da dor, como os bloqueios e as infiltrações.

Sob a influência de vários fatores históricos, políticos, sociais e culturais, os enfermeiros começaram a questionar o status quo da prática da enfermagem e a refletir sobre ele 14.

A partir do surgimento da consciência de que os enfermeiros fossem mais bem preparados por meio de aprimoramento da educação da enfermagem de modo a alcançarem a melhoria da qualidade do cuidado prestado à população, houve a necessidade de se desenvolver um corpo específico e organizado de conhecimentos sobre a enfermagem, difundindo-se a preocupação com o significado da enfermagem e seu papel social 14.

Nos Estados Unidos, com o aumento da utilização da medicina complementar e alternativa pela população, foi imperativo que a enfermagem possuísse informação atualizada sobre a utilização e segurança dessas práticas 15. Nove, em cada dez enfermeiros atuantes, recomendavam a utilização de MC aos seus pacientes, mas a fonte de seu conhecimento não provinha da graduação ou da educação formal, mas de experiências pessoais 15.

O Nurse’s Social Policy Statement afirmou que a responsabilidade primordial dos programas educacionais de enfermagem é a de educar seus profissionais. Também diz que o tratamento e as indicações para tratamentos devem ser fundamentados em conhecimento prático e científico 15.

A National Organization of Nurse Practioner Faculties enfatizou a necessidade do ensino superior de enfermagem de incorporar a educação em MC à grade curricular para que o enfermeiro possa responder competentemente a essa crescente tendência nos cuidados de saúde 15.

Um estudo com 187 enfermeiros em Hong Kong determinou que eles constituem uma parte fundamental ao indicar MC aos seus pacientes, baseados em seu conhecimento pessoal de benefícios percebidos para certas condições de saúde 16.

Em Cuba, a MC constitui uma das estratégias priorizadas pelo Ministério da Saúde. Para aperfeiçoar o enfermeiro que oferece esse tipo de serviço, tem-se desenvolvido cursos de treinamento, oficinas e cursos de pós-graduação com propósito de oferecer um serviço melhor, diminuir o uso de medicamentos sintéticos pela população e estimular a utilização desses métodos 9.

Treinamento apropriado, credenciamento e certificação de acupunturistas por órgãos governamentais podem facilitar a integração da acupuntura no tratamento da infertilidade e da saúde em geral 7.

Existe uma necessidade de que as enfermeiras se envolvam numa tarefa para criar regulamentações legais e estabelecer o escopo da prática da acupuntura. Isto irá evitar a restrição da prática da acupuntura a apenas um grupo profissional de saúde 16.

A regulamentação da prática da acupuntura tem sido realizada em muitos países. No Brasil, em 1982, o Ministério do Trabalho criou a Classificação Brasileira de Ocupações, incluindo a ocupação de acupunturista. Uma nova versão no Decreto nº 397/2002, descreve a profissão de acupunturista como independente de outras categorias profissionais, incluindo a categoria médica 17. Em 2005, o Ministério da Saúde apresentou a Política Nacional da Medicina Natural e Práticas Complementares ao Sistema Único de Saúde, objetivando implementar experiências que já têm sido desenvolvidas no sistema público de saúde de muitas cidades e estados, com ênfase na MC e acupuntura 18. Entretanto, deve ser enfatizado que apesar dos avanços na implementação da acupuntura no sistema público de saúde, sua prática tem sido restrita aos médicos, dentistas e veterinários, sem a participação de outras categorias profissionais 16.

O enfermeiro deve participar do processo de regulamentação da acupuntura como profissão e sua prática como especialidade. Caso contrário, o enfermeiro corre o risco de ser banido de praticá-la.

Na esfera do debate sobre a acupuntura como prática do enfermeiro, o Conselho Federal de Enfermagem reconheceu a acupuntura como especialização na Resolução nº 197/97. Nessa perspectiva, a LEPE/1986, em seu artigo 11, seção 1, estabelece que o enfermeiro é exclusivamente responsável por: “cuidado de alta complexidade técnica, que exige conhecimento científico e habilidade de tomar decisões imediatas” 19.

Entende-se que o desafio que o enfermeiro enfrenta é a sua participação na implementação da prática da acupuntura, como profissional ou como especialização dentro de sua profissão. A cultura profissional depende grandemente do interesse e da consciência daqueles que vivem uma profissão e que estão envolvidos no saber e na prática que a caracteriza 16.

Para os profissionais da MC o foco se moveu para uma regulamentação da educação e do treinamento. Padronização da competência profissional e um compromisso em atualizar-se continuamente e refletir sobre um desenvolvimento profissional contínuo 8.

A MC pode tanto substituir quanto complementar os tratamentos de saúde ocidentais. Estudo realizado em Taiwan mostrou que 21,08% dos 2.034 pacientes oncológicos entrevistados utilizavam acupuntura ou MC para tratamento de câncer conjuntamente com o tratamento médico convencional e muitos deles não reportavam aos seus médicos que faziam tais tratamentos 20. Os médicos em Taiwan comumente não indicam a mistura de tratamentos, e por raramente terem conhecimento a respeito da MC, não oferecem informações ou aconselhamento aos seus pacientes 20.

A MC oferece numerosas vantagens para o paciente e para os profissionais da saúde, uma vez que não é necessário praticá-la no âmbito hospitalar, pois sua aplicação é totalmente ambulatorial, é de fácil domínio pelo profissional enfermeiro, reporta um grande balanço econômico, aplica-se a diversas afecções e não apresenta reações adversas importantes. Além disso, é bem aceita pela população ao contribuir na resolução dos problemas de saúde e facilitar que o indivíduo a incorpore à sua rotina em curto prazo 9.

A acupuntura é segura na maioria das situações quando as precauções são seguidas. Os efeitos adversos podem ser: tontura, dor no sítio de inserção da agulha, síncope e hematoma. A sensação de desmaio e a síncope são situações raras 21.

Se a informação clínica necessária não estiver descrita nos trabalhos científicos, mesmo um estudo de metodologia bem elaborado não terá impacto na prática diária. Uma pesquisa sobre esses detalhes demonstrou que os entrevistados no simpósio de acupuntura médica em San Diego estavam mais interessados em detalhes com relação às técnicas de tratamento e de diagnóstico do que com relação à profissão e aos pacientes a serem cuidados 22.

A acupuntura empregada como cuidado de enfermagem no tratamento de pacientes obesos demonstrou que as duas formas de conhecimento científico, quando aplicadas conjuntamente, produzem um resultado positivo, e com isso, percebeu-se que a enfermagem pode de uma forma inovadora, ter a acupuntura como uma terapêutica a ser utilizada no cuidado 23. A associação entre o cuidado de enfermagem e a acupuntura consegue avaliar o paciente como um todo e reorganizar e restabelecer sua energia, o que vai refletir de alguma forma em sua autoestima e autoimagem. Sendo essa uma condição fundamental na melhora do processo de viver e ser saudável do ser humano 23.

A Enfermagem caracteriza-se por ser uma profissão com uma visão globalizada, holística e integral, que reconhece e compreende os indivíduos de diferentes partes do mundo, inseridos em diferentes culturas e imbuídos de diferentes crenças. Assim, os aspectos do cuidado são amplamente adaptados a cada realidade, de forma a perceber a transculturalidade e singularidade do indivíduo. Integrando a esta abordagem a MC, tem-se a acupuntura como um poderoso instrumento, legal e mundialmente reconhecido, que o enfermeiro pode utilizar para o extenso benefício daqueles sob seus cuidados.

O cuidado de enfermagem pode ser realizado através da acupuntura, um dos ramos da MC, pois tendo a enfermagem à visão que o ser humano busca novos desafios e novas oportunidades de escolha em seu cotidiano e percebendo-o de forma holística, nasce uma afinidade natural entre a enfermagem e a acupuntura. Ainda como pressuposto, no desenvolvimento desta perspectiva, o papel na manutenção e na promoção da saúde, busca trazer benefício para as pessoas que se encontram em desequilíbrio energético e orgânico. Em suma, é facilmente demonstrável existir uma perfeita adequação entre o cuidado de enfermagem e a acupuntura.

Vale ainda ressaltar que a acupuntura é também mais uma vertente de atuação para o enfermeiro, tendo em vista que é uma especialização legalmente reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem.

 Bianca Brasil Komesu

Enfermeira Docente

Especialista em Acupuntura,

Saúde Coletiva e Saúde da Família,

Pós-Graduanda em Psiquiatria

 

REFERÊNCIAS

  1. Rosted P, Bundgaard M. Can acupuncture reduce the induction time of a local anaesthetic?–A pilot study. Acupunct Med. 2003 Sep;21(3):92-9.
  2. Moffet HH. Sham acupuncture may be as efficacious as true acupuncture: a systematic review of clinical trials. J Altern Complement Med. 2009 Mar;15(3):213-6.
  3. World Health Organization. Guidelines on basic training and safety in acupuncture [online]. World Health Organization; 1999 [citado 2009 Nov 17]. Disponível em: http://apps.who.int/medicinedocs/en/d/ Jwhozip 56e/.
  4. Sussman DJ. Acupuntura – teoría y práctica. 8ª ed. Buenos Aires: Kier; 1995.
  5. Lund I, Lundeberg T. Aspects of pain, its assessment and evaluation from na acupuncture perspective. Acupunct Med. 2006 Sep;24(3):109-17.
  6. Xue CC, Zhang AL, Holroyd E, Suen LK. Personal use and professional recommendations of complementary and alternative medicine by Hong Kong registered nurses. Hong Kong Med J. 2008 Apr;14(2):110-5.
  7. Chang R, Chung PH, Rosenwaks Z. Role of acupuncture in the treatment of female infertility. Fertil Steril. 2002 Dec;78(6):1149-53. Review.
  8. Tait J, Cummings M. Education, training and continuing professional development in medical acupuncture – a contemporary overview. Acupunct Med. 2004 Jun;22(2):75-82.
  9. Cabrera Adan M, Rojas Gallo A, Novoa Cabrera M, Recio López O. Evaluación cualitativa y cuantitativa em los procedimientos de la medicina tradicional. Rev Cubana Enferm. 2006 jul-sept;22(3).
  10. Shulman LM, Wen X, Weiner WJ, Bateman D, Minagar A, Duncan R, et al. Acupuncture therapy for the symptoms of Parkinson’s disease. Mov Disord. 2002 Jul;17(4):799-802.
  11. Wink S, Cartana MHF. Promovendo o autocuidado a pacientes com cefaleia por meio da perspectiva oriental de saúde. Rev Bras Enferm. 2007 mar-abr; 60(2):225-8.
  12. Guerra J, Bassas E, Andres M, Verdugo F, Gonzalez M. Acupuncture for soft tissue shoulder disorders: a series of 201 cases. Acupunct Med. 2003 Jun;21(1-2):18-22; discussion 22.
  13. Companioni LMS. Tratamiento acupunctural del dolor osteomiarticular, labor de enfermeria em el policlinico comunitario sur, Diciembre 2003 – Enero 2004. Disponível em:http://bvs.sld.cu/revistas/mciego/vol10_supl2_04/articulos/a1_v10.
  14. Tannure MC, Gonçalves AMP. SAE, sistematização da assistência de enfermagem: guia prático. 1ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.
  15. Sohn PM, Loveland Cook CA. Nurse practitioner knowledge of complementary alternative health care: foundation for practice. J Adv Nurs. 2002 Jul;39(1):9-16.
  16. Kurebayashi LFS, Oguisso T, Freitas GF. Acupuncture in brazilian nursing practice: ethical and legal dimensions. Acta Paul Enferm 2009;22(2):210-12.
  17. Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. CBO – Classificação Brasileira de Ocupações. Portaria Nº 397 de 9 de outubro de 2002 [Internet]. Brasília; 2002. [citado 2009 Nov 17]. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/legislacao.asp
  18. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares [Internet]. Brasília (DF); 2005. [citado 2009 Nov 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/ResumoExecutivoMedNatPratCompl1402052.pdf
  19. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN). Resolução COFEN-197/97 [Internet]. Brasília (DF); 1997. [citado 2009 Nov 20]. Disponível em: http://www.portalcofen.gov.br/2007/materias.asp?ArticleID=7041&sectionID=34
  20. Pu CY, Lan VM, Lan CF, Lang HC. The determinants of traditional Chinese medicine and acupuncture utilization for cancer patients with simultaneous conventional treatment. Eur J Cancer Care (Engl). 2008 Jul;17(4):340-9.
  21. Kung YY, Chen FP, Hwang SJ, Hsieh JC, Lin YY. Convulsive syncope: an unusual complication of acupuncture treatment in older patients. J Altern Complement Med. 2005 Jun;11(3):535-7.
  22. Claraco AE, Fargas-Babjak A, Hanna SE. The reporting of clinical acupuncture research: what do clinicians need to know? J Altern Complement Med. 2003 Feb;9(1):143-9.
  23. Sebold LF, Radunz V, Rocha PK. Acupuntura e enfermagem no cuidado à pessoa obesa. Cogitare Enferm. 2006 set/dez; 11(3):234-8.